Lipoaspiração e Lipoescultura

A lipoaspiração pode ser considerada um dos maiores avanços da Cirurgia Plástica em todos os tempos. Com pouco mais de quinze anos de existência, evoluiu muito desde o seu surgimento na França, no início da década de oitenta, permitindo hoje a retirada de quantidades maiores de tecido gorduroso com menor trauma e maior rapidez de recuperação, conseguindo-se a modelagem do corpo através de incisões mínimas de menos de 1 cm. No entanto, a lipoaspiração, ao contrário do que muitos pensam, é uma cirurgia, e como tal deve ser tratada, com todos os cuidados de esterilização e de anti-sepsia que cercam um ato cirúrgico.

Na lipoaspiração, a retirada de gordura se faz através de cânulas conectadas a um lipoaspirador, ou seringas . Utilizamos uma infiltração com soro fisiológico e adrenalina na região a ser operada, o que provoca uma vasoconstricção, ou seja, retração e redução do diâmetro dos vasos, reduzindo a níveis mínimos a perda sanguínea bem como os hematomas e equimoses no pós – operatório.

Uma dúvida muito comum em nosso consultório diz respeito à diferença entre lipoaspiração e lipoescultura, existindo muita confusão sobre esse assunto, em grande parte provocada por publicações leigas que citam as definições mais variadas e errôneas. A lipoaspiração é o nome dado a uma técnica cirúrgica que promove a retirada de tecido gorduroso com o uso de cânulas conectadas a um aparelho de vácuo denominado lipoaspirador , ou conectadas à seringas . Quando esse processo é realizado visando a retirada de pequenas quantidades de gordura, numa pessoa magra, para a correção de detalhes do contorno corporal, e reinjetamos parte da gordura aspirada em outros locais do corpo, recebe o nome de lipoescultura.

A gordura aspirada normalmente não “volta”, como pensam alguns, pois a célula (adipócito) é retirada do local. No entanto, em casos de grandes elevações de peso após a cirurgia, as poucas células remanescentes no local podem tornar-se mais volumosas, prejudicando o resultado estético da cirurgia. Portanto, o paciente que desejar o melhor resultado possível deverá seguir, após a cirurgia, uma dieta equilibrada, sem grandes sacrifícios, mas sem excessos.